Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2006

Desafio / principio do prazer

Desafiei alguem que esporádicamente comenta aqui a escrever um texto.
Não convidei um amigo como está descrito nas configurações porque não é bem um convite nem bem um amigo:).
Sei que para ele não é fácil escrever de forma simples e básica, mas li a primeira parte do "testamento" que ele redigiu e gostei muito.
A ideia é essencialmente eu ficar a perceber como funciona a coisa, confesso que é um tema que me dá à partida uma preguiça mental das grandes e parece-me que ele arranjou forma de me prender a atenção( pelo menos a avaliar pelo..inicio).
Espero que gostem...mas senão gostarem também não é algo que me tire o sono:)

O tema: O principio do prazer
Por Miguel Ribeiro antunes:)))))


1


Corria o ano de 1670. Imerso na Africa Profunda, Sir Michael Waterstrem, afamado explorador e aventureiro, amigo pessoal de Sua Majestade, Cavaleiro do Reino e Founding Fellow da Royal Society está a ser devorado pelos mosquitos. Não fosse a fleuma e teimosia britânica de Sir Waterstream , por essa altura teria certamente desistido de sua demanda. No entanto, cada vez que se lembrava de sua doce Rajiva, de pele cor de mel, olhos negros de intensidade, que se incandesciam com o insuspeito fogo que ele havia descoberto em seu ventre, de sua casa em pleno centro de Londres e a imensa vontade que tais pensamentos lhe originavam de retroceder e desistir de tão insana e pouco sustentada ventura, era simultaneamente assaltado pelo frémito que a descoberta daquele pergaminho num velho alfarrabista lhe havia causado. Não se tratava de algo tão esotérico quanto a Pedra Filosofal, algo tão maquinado pela Igreja da Fé quanto o Santo Graal ou tão Espanhol quanto a Fonte da Eterna Juventude ou o Eldorado…o mapa relatava, em tinta feita de algas e sangue, a existência de um cogumelo, raro e misterioso, idolatrado e escondido por uma tribo mítica que tinha a propriedade – química e de certeza empiricamente demonstrável – de causar a quem o tomasse, quer na forma original ou moído em pasta, intenso e imediato prazer. Não estaríamos a falar de algo parecido como Mescal que algumas tribos do Novo Mundo usam, segundo relatos dos primeiros pioneiros do Oeste, nem das folhas de coca que permitem os Índios encontrados por Cortez respirar nas altas mesas Andinas, nem ainda das nozes de Betele que os malaios mascam antes de se lançarem em rituais pagãos que o exercito de Sua Majestade se encarregava de destruir. Sir Michael sabia que essa indução de prazer era alucinatória, efémera e potencialmente destrutiva, pois tinha vivido na Índia e visto a degradação dos pobres diabos que frequentavam as casas de ópio. O que estava em questão era incomensuravelmente mais importante, e Sir Michael sabia-lo. Agora, a poucos minutos de caminhada até chegar ao local provável da aldeia dos Divudivu, sentia as palmas das mãos suadas, o seu ritmo cardíaco a acelerar, todo o seu corpo a doer de expectativa: era a fama que o aguardava por trás da parede verde que firmemente decepava à catanada.


Inventado por alexiaa às 19:11
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Anónimo a 26 de Janeiro de 2006 às 09:34
que texto... gostei.gostomuitissimodeti
(http://gostomuitissimodeti.blogspot.com)
(mailto:tundra@iol.pt)


De Anónimo a 26 de Janeiro de 2006 às 09:28
tu não paras! um beijoimensa
(http://imensa.blogspot.com)
(mailto:filintam@gmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 20:02
Minha cara amiga, devo-te dizer que gostei bastante deste texto, e o que ele faz é materializar a procura de todo o ser humano pelo prazer. Todos nós o buscamos, quer gostemos quer não, uns de uma forma obssessiva demais, outros conjugando o prazer com o amor.

PS: correu muito bem, e descobri que o sentimento era correspondido, ela achava-me "inatingível" e eu achava-a assim também...giro como a vida nos prega partidas...Estou mais que feliz :)) Desejo-te o mesmo :))Ricky
(http://luminescente.blogspot.com/)
(mailto:ricky_ricardof@hotmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 15:20
...corrigindo: ..."auge do..." deve ler-se.."no auge do seu abrasume..." Lourenço119
(http://...)
(mailto:csonhador@hotmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 15:16
....O príncipo do prazer, na lenda biblíca, começou pelo Verbo. Agora, na história expedicionária, pelos visto é o sujeito que, quando sujeito ao magusto do moscame, sobram-lhe visões cartográficas onde, entre as frestes riscadas de curvas de nível e as saliências geodésicas do plano-esfera, se alapam esquadrões do reino "Fungi" eivados de alucinações, capazes de tornarem real a mais ardente e consumidora incandescência ventral da longínqua amada que, auge deo abrasume, apaga o braseiro vivo..arrastando a fornalha pelo correr gélido do Tamisa. Oh, úbere privação, quanto alucinas! Com um beijoLourenço119
(http://...)
(mailto:csonhador@hotmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 15:11
Estou com a "corda" toda e como não quero "postar" no meio da historia que não é minha para não perder o encadeamento, vai ter mesmo de ser neste espaço:).
Espreitem lá aqui: http://www.rubiane.com/BrianAdams.htm
Eu sei que o grafismo assusta mas o objectivo é ouvir e ler a letra(mais em baixo está em inglês)com atençao.Nem todos poderiam ter escrito esta letra, não é para todos...!!!
alexiaa
(http://www.alexiaa.blogs.sapo.pt)
(mailto:salexia@hotmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 14:46
Mas que embirração com a selecção musical...soubesse eu de HTML e diariamente entupia esses ouvidinhos elitistas de Roberto Carlos:)). E esta falta de fé no amor eterno é que parece ser o principal tema de interesse hoje em dia, de repente é "bem" sermos uns cépticos, é sinal de cultura desdenharmos paixões intensas, é carismatico o despreendimento de ideais romanticas. Eu cá estou numa fase "pimba":))) e enquanto não me passar...segue para "bingo" a cerelac de frutos bem morna, até ao dia em que me der para aquecer a coisa e aí...reverter os amores eternos em romances de cordel onde o heroi é moreno e musculoso e "rouba" beijos à heroina com firmeza e arrogância!
De canhenhos pouco sei, de anacronismos menos ainda...O nome das personagens não me interessa por aí além e frases que não entenda passo-as à frente.Mas gosto das descrições, gosto muito de alguns laivos que me transportam para a ténue ideia que tinha do tema.Vá miguel, anda lá com isso para eu não arrefecer os "neurónios":)))
alexiaa
(http://www.alexiaa.blogs.sapo.pt)
(mailto:salexia@hotmail.com)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 14:13
Estou a meio caminho entre o não te tirar o sono e o acordado. Metermo-nos em trabalhos não é complicado: a arte está em sair airosamente deles. Fico à espera para ver o que o misterioso fungo encerra...houve cuidado no enquadramento histórico: não há nenhum anacronismo demasiado óbvio. Pelo menos é uma variante à papa morna e adocicada dos amores eternos que parece ser o principal tema de interesse hoje em dia. E haja paciencia para a selecção musical...
(http://eu@noss.pt)
(mailto:eu@noss.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 11:48
O intercambio de palavras, entre blogs é algo que se vai vendo por aqui, na blogosfera...sem dúvida, uma forma de partilha muito bonita, tendo em conta que este mundo é virtual. Obrigada pela visita ás minhas palavras e por me confessares esse segredo da exaustão!!!!!!!!Encantamentos milMagia
(http://outrapartedemim.blogs.sapo.pt)
(mailto:perlimpimpins@sapo.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 01:06
Ora bem... Sempre gostei de ler canhenhos, mas em fascículos ilustrados! Africa Mãe Africa... E a catana que não castra a liberdade de expressão! Bom texto... maçudo mas... bom texto! Vou continuar a ler "O Medo" de Al Berto, deu-me uma saudade louca de ler Lisboa... e o cheiro a mar! Beijo grandepenumbra
(http://terceiro-esquerdo@blogspot.com)
(mailto:napenumbra@hotmail.com)


Comentar sem frete

O minimo sobre mim


ver perfil

. 11 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Estas são as Ultimas

Aos sonhos que vão diminu...

Even...

Revivendo uma invenção!

Quase por encomenda...:))...

Tenho pena de não ter mem...

Não me ames…ambiciona-me!

Colocado em finais de Abril de 2006

Free Web Counter
hit Counter