Domingo, 6 de Janeiro de 2008

Um beijo ardente!

 

Inerte…Já há algum tempo que Clara acordava apática e triste, conformada e torturada.

O simples gesto de sair da cama era algo que lhe causava dor e que lhe fomentava um estar permanente de indolência.
O médico tinha-lhe diagnosticado uma depressão mas sinceramente Clara não acreditava nessas coisas e encarava tamanha letargia como uma característica da sua personalidade, como o seu maior defeito.
Ainda hoje quando conversamos acho graça à forma como ela assume o seu temperamento preguiçoso e o culpe da sua inutilidade.
Durante anos as coisas fluíram para Clara duma forma tão fácil que sempre despertou nos outros uma curiosidade muitas vezes traduzida em comentários sarcásticos, mas a sua postura alegre e descontraída faziam com que rapidamente revertesse alguns sentimentos de inveja em amizades profundas.
Namorou muito e sem consequência. A primeira vez que percebeu o que eram sentimentos andou dois dias absorta e um pouco macambúzia mas depressa ultrapassou a experiência encolhendo os outros e concentrando-se em fazer os outros rir!
Chamava-se Paulo. Era um pouco mais velho e achou graça tanto à sua vivacidade como à sua pressa de viver. Em poucos dias começaram um namoro que dava a Clara uma sensação de importância assente nas características maduras de Paulo.
Paulo pertencia a outro grupo. Era giro e com pinta, irreverente e aparentemente arrojado. Vestia sempre um blusão de ganga coçado na gola, umas calças velhas e descaídas que lhe davam um ar patife e um pouco ilegal e que contrastavam na perfeição com as roupinhas imaculadas de Clara.
O namoro durava há uma semana e uma tarde Paulo subiu para a visitar aproveitando o facto dela ser uma miúda com pais trabalhadores e um pouco ausentes!
Sentaram-se na sala e iniciaram como sempre um momento de paixão intenso mas também um pouco pueril.
O beijo não tinha fim, a única coisa que mudava eram as mãos dele suaves e recatadas de início, atrevidas e quentes a meio, decididas e frenéticas num final surpreendente.
A verdade é que Paulo fez com que Clara se viesse assim que lhe introduziu os dedos na vagina e a sensação que este primeiro orgasmo lhe causou ficou para sempre marcado na sua memória!
Quando falámos pela primeira vez sobre este dia senti-me uma espécie de terapeuta sexual, tentando entender a todo o custo o porque daquele momento lhe ter causado tanta vergonha e tanta culpa.
O certo é que aquilo foi determinante para aquele namoro em questão e provavelmente para os outros que se lhe seguiram...
 
música: Hot Chocolate, It Started With A Kiss

Inventado por alexiaa às 14:54
link do post | comentar | favorito
32 comentários:
De Diva a 6 de Janeiro de 2008 às 15:52
Aproveito para desejar-te um óptimo 2008, com muita saúde e felicidade mas também com muita escrita e textos como este;)
Beijokas 1000


De alexiaa a 7 de Janeiro de 2008 às 15:00
Obrigada, um Bom Ano para ti também!

bj


De mac a 6 de Janeiro de 2008 às 16:51
A primeira vez...sempre marcante e especial...


De alexiaa a 7 de Janeiro de 2008 às 15:02
Agora que falas nisso acho que existem primeiras vezes que não marcam nadica...estou aqui a lembrar-me dumas quantas agora:)


De B a 6 de Janeiro de 2008 às 18:44
Não posso ler mais os teus post... deixam-me sempre com sentimentos e desejos de coisas que neste momento não posso/consigo ter. Rai's te parta!

Beijos.


De B a 6 de Janeiro de 2008 às 18:45
Já agora... esqueci-me de dizer: se há coisa que eu goste é um bom... muito bom... beijo (dar e receber).


De alexiaa a 7 de Janeiro de 2008 às 15:04
Até fui reler o meu proprio texto que é uma coisa que não costumo fazer para tentar encontrar que desejo este te despertou que neste momento não possas/consigas ter. Raios me partam se encontrei algo que corresponda à descrição:))

Beijos


De cuotidiano a 6 de Janeiro de 2008 às 20:23
Clara foi ao médico. Queixou-se de coisas. Ele pediu-lhe para se despir. Ela despiu-se. Ele pôs-lhe uma mão num ombro. A outra mão no outro ombro. Fez-lhe um toque rectal. Ela gostou. Muito. Mesmo.

- Mas... não deveria ter sido com os dedos? - interrogou-se Clara.

- Que se lixe! - pensou melhor depois. - Um orgasmo é um orgasmo, chiça!



De alexiaa a 7 de Janeiro de 2008 às 15:14
Estou aqui indecisa...não sei se te faça sentir pessimamente por teres "brincado" com um texto que me saiu das entranhas ou se te diga que os teus comentários alternativos são uma lufada de ar fresco numa escrita deficiente e pirosa de tão "pesada"!

Que se lixe...um orgasmo é um orgasmo, ridicularizado ou levado a sério! Como alguém me explicou nada é tão sério que não possa ser troçado nem tão hilariante que não possa ser levado a sério. Em que ficamos neste caso?!:)


De V.A.D. a 7 de Janeiro de 2008 às 01:55
A vergonha e a culpa... Talvez a educação rígida tivesse agido como castradora, retirando satisfação ao momento, substituindo-a pela noção idiota de pecado... Não sei se foi assim; espero que a continuação me venha a elucidar... :-)

Um beijo e um sorriso... :-)


De alexiaa a 7 de Janeiro de 2008 às 15:20
Ah..vai ter continuação????:))
Olha, aqui entre nós posso dizer-te que a Clara confidenciou-me mais umas coisitas, entre elas uma descrição detalhada do tipo de educação que teve mas tenho um cérebro tramado que só retêm o que lhe interessa:)

Beijo elucidado, sorriso turvo:)


De .... a 7 de Janeiro de 2008 às 15:44
Coitadinha da Clara! Começo agora a perceber o porquê de tantas falhas naqueles neurónios... Mas resta sempre a possibilidade de deitarmos as culpas para os pais ou para o primeiro namorado que a traumatizou...
e se não chegar, vem em seguida na fila o marido, o amante, as tias , os primos , etc, etc. ... mas nunca a própria. Essa... coitadinha... é só uma cabra vitima das pessoas perversas.


De alexiaa a 7 de Janeiro de 2008 às 16:14
Pronto...eu sabia que devia ter apagado o primeiro mas estimulei a pessoazinha e agora estamos nisto:)
Vamos lá :
A falha nos neurónios e segundo a própria me sussurrou deriva da quantidade de drogas que fumou e inalou e não do 1 namorado que sofria de ejaculação precoce, nem do marido que faleceu vitima dum calo no mindinho, nem do amante que espumava da boca sempre que ingeria mais do que 1200cal, nem das tias siamesas que não há meio de descolarem o rabo uma da outro, nem dos primos que se lhe arrimam com uma pinta diabólica e nem dela própria, tadita que mal se mexe tão presa que esta num corpinho mitológico que engloba cabras, e serpentes (acho que há uma assim).
Aparece sempre que quiseres, faço qualquer coisa por um comentário…perverso:)


De Su a 8 de Janeiro de 2008 às 13:35
Ah! Como seria fácil interpretar alguém que assina como se de uma reticencia se tratasse. Mas realmente n precisas de ajuda! ahahahah
Ha gente que realmente n pode assinar sem nada mais a não ser uns míseros três pontinhos, bem minúsculos, bem insignificantes, tão apertadinhos que se lhe lá puséssemos um carvãosito no cú virava diamante! Diamante de sangue pq quem se sente assim, deve ter passado por muita luta na vida.


De alexiaa a 8 de Janeiro de 2008 às 14:13
Oh...:)


De pedro alex a 7 de Janeiro de 2008 às 19:34
Beijo ardente...
Ah, príncipe valente
Que, desta, realmente,
De tão inocente,
Te beija beijamente.

Lol, embora «beijamente» não exista, apeteceu-me!
Oh, porque me apeteceu, agora existe!



De alexiaa a 8 de Janeiro de 2008 às 14:16
Lembraste-me o pigmeu cá de casa...olha mãe, fiz uma rima:)))

Sim, declaro-te oficialmente o meu poeta preferido!:)

Beijo rima com...chocho, ou isso é uma especie de sinónimo?! Tou baralhada:)


De Emanuela a 7 de Janeiro de 2008 às 23:07
As pessoas que tem coragem de ser e dizer o que querem, sempre acabam por atrair inveja, como a Clara. Porque todos aqueles que não tem a mesma coragem, acham necessário atacar, para descarregar a própria frustação.
Gosto dos teus textos. E só.
Beijinhos.


De alexiaa a 8 de Janeiro de 2008 às 14:18
A frustração é...lixada:)))
Beijinho fantasmagórico:))




De Su a 8 de Janeiro de 2008 às 13:40
AH! que bem me sabia agora um namoro desses! que saudades de trepar paredes assim...aaaaiiii o amor!

:)))

Beijos pra Clarinha!

Beijos endiabrados pa ti.
:)


De alexiaa a 8 de Janeiro de 2008 às 14:22
Trepar cara?:)))

O amor...muito se poderia dizer sobre o amor:)) e se calhar o melhor é ficar caladita para as mas linguas (esta tb não é má pois não?) dizem que eu me faço vitima do mesmo, logo eu que sou uma rapariga tão bem amada e que ama tão bem:)

Beijo diabinha linda do meu coração:))), desculpa lá aquilo da moderação mas gosto de deter o poder da coisa:))


De me a 8 de Janeiro de 2008 às 18:27
Pois é bebé!!!
Estes são os três pontos da tua vida:
1º o ponto de interrogação??? será???
2º o ponto de exclamação!!! pois é!!!
3º o ponto final...mesmo com 3 não consegue aceitar...
Não digas que este comentário não é lindo^^^
Beijos calientes


De alexiaa a 9 de Janeiro de 2008 às 12:07
Falhou-te o ponto G...o grande mito da humanidade, tal como é um mito as pessoas acharem que são insubstituiveis!
Grande taradice esta nossa conversa, tão private que já nem sei se nos proprias a estamos a entender:)!
Bem, continuo sem saber quem es:)))) mas que comentas como se me conhecesses de cor lá isso é verdade!

Beijos hots...para o caso de seres uma criatura masculina:))))



Comentar sem frete

O minimo sobre mim

Estas são as Ultimas

Aos sonhos que vão diminu...

Even...

Revivendo uma invenção!

Quase por encomenda...:))...

Tenho pena de não ter mem...

Não me ames…ambiciona-me!

(Re)Invenções antigas

Setembro 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Colocado em finais de Abril de 2006

Free Web Counter
hit Counter