Domingo, 16 de Dezembro de 2007

Falling

Clara saiu de cabeça baixa sentindo-se vulgar e desnecessária!
Caminhou até ao carro de forma trôpega, os sentidos misturados, as lágrimas teimosas, uma vergonha imensa!
Assim que se sentou ao volante percebeu que tão depressa não iria conseguir sair dali, as mãos trementes esfregavam-lhe a cara com vigor revoltadas com a expressão de amor que tinha acabado de devotar a…ELE!
As pernas que O entrelaçaram minutos antes estavam agora cruzadas e inquietas, arrependidas duma prontidão ridícula!
A mente…(ai a mente embaraça-me o relato), a desilusão perante a fraqueza arrastavam-lhe os pensamentos por resoluções implausíveis, por uma entrega acomodada, por um banho de mar final! Vagueava indecisa e desvairada por opções efémeras, nada lhe dava a garantia de estar a agir correctamente, em nada conseguia acreditar ser bem sucedida!
Baixou a cabeça em cima do volante e abanou-a negativamente, não era possível ter chegado ao ponto de se sentir tão supérflua na vida de alguém, não se lembrava de ter sonhado um dia com um amor assim, não tinha percebido até aquele instante o quanto tinha permitido que a fizessem sentir igual a tantas outras que nunca entregam e reclamam a alma no amor!
No peito de Clara crescia uma mágoa insuportável de guardar, uma sensação de pesar que se reflectiram no corpo como uma autêntica dor física! E aqui desabou num choro previsível e sonoro, em soluços agonizantes e inevitáveis.
(Estou certa de a ouvir soltar palavras de desespero, lembro-me de tapar os ouvidos incomodada com a agressividade daquele sofrimento!).
E quando ele voltar a pedir que o abrace? E quando voltar a dizer que me ama?
( Sim…estou certa de a ouvir questionar-se sobre isto, estou certa porque as duvidas dela começavam agora a atormentar os meus diferentes contextos)
Terei força para o recusar? Serei lúcida de forma a não o acreditar?
Fraquejo consciente e sujeito-me a arriscar? Entrego-me desprovida de expectativas?
Abraço-o…morro…digo amo-te…mergulho…
(A Clara incomoda-me. Parece um espelho de sentimentos que tenho comedidos, que todos temos de forma menos intensa. A Clara é dramática e…desperta-me vontades embrenhadas bem lá no fundo do cérebro)
 
 
 
música: Julee Cruise

Inventado por alexiaa às 21:02
link do post | comentar | favorito
27 comentários:
De mac a 16 de Dezembro de 2007 às 23:03
Que todos nós já caímos, e é bom ter alguém que nos ajude a levantar. E depois há sempre aquela canção "I will survive". É ideal para alturas destas. Lembra-nos que iremos sempre sobreviver às crises, no matter what.


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 20:34
Sem duvida...que sim!:)


De ______ a 17 de Dezembro de 2007 às 00:23
É um prazer imenso ver-te pelo Chapiteau :))

A Clara... por vezes a transparência deixa -nos vulneráveis , esta Clara do teu texto tem a alma que nos invade em momentos que saímos de nós por um alguém maior... gostei desta forma interrogativa de escreveres, dos pedacinhos q todos vivemos entre soluços e clarões de lucidez ...

Beijos doces ( Natal? Não é nada...o Natal é como o frio...psicológico eheh!!)


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 20:38
O nome chapiteau lembra-me uma promessa...nunca poderia deixar de visitar o real, já basta a total incapacidade que tenho de espreitar o real...

Diz lá isso do psicologico à minha carteira...ai, que ainda me caem em cima fundamentalistas das bolas de berlim:))

Kiss com muitos frutos secos!:)


De Su a 17 de Dezembro de 2007 às 06:20
Puta de cultura, puta de cabeça, puta de vida que nos escraviza sempre, de uma maneira ou de outra... a Clara desta vida, é mais uma, mais outra... ergue-se num texto magistral, pensando que sáirá dele imune, julgando-se superior a uma realidade que a sufoca...

Tudo hormonas. A busca incansavel da felicidade prometida... tretas, isto custa e mais nada.

Levanta a cabeça Clara, estás viva! Q todas as tuas dores sejam essas.

Beijoooooo


De Su a 17 de Dezembro de 2007 às 17:49
;/

caneca.... escrevi isto sob um efeito de estufa... estiquei-me... to forte, muito forte.... aaaarrrrr



De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 20:41
Sobre o efeito de que lindinha???:)))


De Su a 22 de Dezembro de 2007 às 17:22
Efeito de estufa... que nos estufa os neuronios... que nos aperta... que se nos entranha a pele... que faz de nós galinhas doidas estufadas!


De Su a 22 de Dezembro de 2007 às 17:23
:)))))


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 20:41
Ou seja...um trifene resolvia a coisa:)))))))
Opá, tu tem de ser mais como eu, pouco impulsiva e muito moderada no que toca a sentir as coisas:)))


De Su a 22 de Dezembro de 2007 às 17:19
Trifene? Isso fuma-se?
:))))


De Diva a 17 de Dezembro de 2007 às 13:57
Também ando um pouco afastada dos blogs, até do meu, mas fez-me bem vir até aqui pôr a leitura atrasada em dia. Neste post encontrei um pouco das sensações que me atormentam pois também vivi nos últimos dias problemas sentimentais. A fraqueza, o choro, a mágoa, senti tudo isso. E as dúvidas da Clara são também as minhas...
Boa semana
Beijokas 1000


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 21:01
Esta gente nem no Natal dá intervalo, é sempre a bombar cochatices né?:)

Boa semana sera só lá para sexta:)))

Beijocas miles


De B a 17 de Dezembro de 2007 às 14:02
Olá. Desta vez entendi (acho eu). Pensamentos e sentimentos de mulheres são sempre um mistério, tanto num momento dizem e sentem algo como no outro é completamente o oposto. Eu diria que: se nos entregarmos sem receios vamos ser felizes até ao momento em que somos magoados ao extremo. Se tivermos receios, então a dor será menor mas a felicidade também.

Beijos e boa semana!


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 21:04
Haja alguem a entender porque eu sinceramente não entendo balhufas:))) e o teu comentario tb não me esclareceu, essa coisa das mulheres serem umas inconstantes( era isto q querias dizer nao era?!) é uma grande...verdade!!:), já os homens são duma coerencia impressionante, ate qd dizem que se nos entregarmos sem medo seremos felizes ate sermos magoados:))), tou tonta:)))

Beijo, gosto de te ter por cá:)


De Penumbra a 18 de Dezembro de 2007 às 05:53
Ora bem... como esta musica reporta-me ao "Twin Peaks" do grande David Lynch... atrevo-me a perguntar "quem tramou Clara Palmer?!":) Quem tramou... que eu vou lá com a minha moca que é um "regalo" (ler a palavra com sotaque espanhol, para ter mais dramatismo s.f.f., penso que vi isto num filme porno e achei os "argumentos" da actriz bem interessantes, bem como o dito dramatismoe a estória em si (nela)).:) Enfim... E o que não é a vida se não um argumento daqueles à David Lynch, onde nunca se percebe bem quem é quem, o que aconteceu antes e o que virá a acontecer ...e o fim nunca é esclarecedor.
E que Clara... se mantenha na luz... Com a Penumbra sempre por perto:)
Beijo Amiga


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 21:08
Esta semana andas a falar muito da tal "moca", eu cá (e porque não consigo parar de provocar) sou mulher de outro genero de "mocas":)
Em espanhol gosto de galleta, tas a ver..entrelaça-se com aquela coisa de eu ser a ultima bolachinha do pacote..
Bem...qual era o tema mesmo? ah..o facto de eu ser tua amiga né??!!
Olha...já que todos sabem mesmo...o melhor é reiterar os parabens que te dei hoje de manha e desejar que atures por muitos anos estes meus apetites q já tanto me caracterizam:))

Beijo


De imensa a 19 de Dezembro de 2007 às 10:10
cada vez que te leio encontro mais um pouco da sociedade.


beijo imenso


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 21:09
Anonima ou em nome individual?:)))

Beijo diminuto porque já te vou dar outro a seguir!


De gostomuitissimodeti a 19 de Dezembro de 2007 às 10:14
planos que se encontram no surrealismo que nós nunca queremos admitir...

gostomuitissimodeti


De alexiaa a 19 de Dezembro de 2007 às 21:10
Exacto...surrealista!!

Cá esta o resto do beijo:)


De pedro alex a 21 de Dezembro de 2007 às 16:25
Eu gosto da Clara, tenho presente as outras insustentabilidades dela, e concordo com o incomodar que eventualmente te transmita.
Até poderá ser por isso que lhe chamaste clara.
Todavia princesinha, não sou psicologo nem ser muito interpretante, ou gosto ou não gosto, é um "pim pam pum" simples que me tem governado.
Eu gosto da clara:)
Beijos escurinhos, i.e. no escurinho do cinema...


De alexiaa a 2 de Janeiro de 2008 às 17:52
Ainda bem, as vezes temo que a Clara desaponte quem habita o meu reino com a sua carga excessiva de emoções!
Eu cá gosto mais de ti:)
Beijo com muitas pipocas para acompanhar a sessão!


De Fox a 29 de Dezembro de 2007 às 23:48
Umm...Clara...pois...

Parece-me claro.
Mas mesmo o claro, por vezes, é tudo menos claro, diria até que é bastante escuro.


De alexiaa a 2 de Janeiro de 2008 às 17:54
Ou seja...achas que esta historia da Clara é tudo uma grande tanga e que utilizo a dita para revelar aspectos da minha pessoa que doutra forma não teria coragem de desvendar??? Hum...gostei da tua ideia, espera..da minha ideia:)

Kiss


Comentar sem frete

O minimo sobre mim


ver perfil

. 11 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Estas são as Ultimas

Aos sonhos que vão diminu...

Even...

Revivendo uma invenção!

Quase por encomenda...:))...

Tenho pena de não ter mem...

Não me ames…ambiciona-me!

Colocado em finais de Abril de 2006

Free Web Counter
hit Counter