Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

V

Sinto-me tão inspirada a escrever-te amor!
Deito-me na cama de pano molhada pela recente chuva e balouço-me ao som da trovoada.
Proteges-me dela amor? Aninhas-me no teu abraço sempre que temo não voltar a ter-te?
Comovida espreito as nuvens. Enternecidas lacrimejam partículas de água que me molham o rosto carente da tua festa, sedento do teu afago.
Encolho-me com frio…diminuo sem pudor a minha capacidade de viver sem ti, assumo que te amo desmesuradamente e entrego-me a uma verdade que há muito experimento mas que nem sempre consigo traduzir.
É tão simples quanto isto amor…
Não há luz onde estou, nunca há luz sem ti…
Empurrada para um escuro que não sustento, embrenhada numa solidão só suportável quando penso ser possível voltar a ter-te…
Odeio o barulho do tractor!
 

Inventado por alexiaa às 19:13
link do post | comentar | favorito

O minimo sobre mim

Estas são as Ultimas

Aos sonhos que vão diminu...

Even...

Revivendo uma invenção!

Quase por encomenda...:))...

Tenho pena de não ter mem...

Não me ames…ambiciona-me!

(Re)Invenções antigas

Setembro 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Colocado em finais de Abril de 2006

Free Web Counter
hit Counter