Quarta-feira, 28 de Março de 2007

...enquanto dura!

 

“Desde que se separaram a vida de Clara mudou. Sem se aperceber procurava a solidão vertiginosamente e até de forma um pouco assustadora!
Habituara-se ao silêncio e rotineiramente dirigia-se a uma praia específica para consumir aquela brisa e verter sem temor lágrimas acumuladas!
Caminhava sempre agasalhada, tanto de Inverno como de Verão já não conseguia dispensar um agasalho nos ombros porque a saudade lhe deixara entranhado um arrepio constante.
Inexplicavelmente Clara tinha desenvolvido uma espécie de vício, quase uma doença que o médico tinha intitulado de síndrome do desgosto e era quase sempre nessas suas contemplações solitárias que se sentia inundada de mágoa e sem querer despoletava as crises. Começava por vomitar convulsivamente até se sentir esgotada e quando por fim conseguia sossegar o estômago sabia que tinha exactamente 30 segundos para tomar um calmante antes que se iniciasse o choro convulsivo acompanhado de tremores descontrolados e faltas de ar desconcertantes! Nada disto a apanhava já de surpresa, estava instruída para tentar aproveitar o intervalo da sua “doença” para se medicar e controlar da melhor forma possível a segunda fase de forma a não descambar enquanto o comprimido não fazia efeito!
Nas vezes que isto acontecia Clara seguia sempre até à esplanada mais próxima para beber uma agua…e ali permanecia de olhar vazio porque o pensamento escapava-se de mãos dadas com a razão e restava-lhe a companhia do sentir. Sentia coisas diferentes, umas vezes sentia carinhos perdidos, afectos doces, sussurros vaporosos. Noutras alturas o sentir intensificava-se e a presença dele era inequívoca e resistente. Mesmo esforçando-se pelo contrario não evitava um estremecimento involuntário desperto pela sensação daqueles dedos na sua intimidade, um reflexo instintivo de prazer com a inalação do seu perfume e até um ligeiro contrair do corpo com a perspectiva dum frente a frente futuro!
Curiosamente nem sempre tinha sido assim a sua reacção ao afastamento. No primeiro ano resistiu, enfrentou com maturidade o que considerou como fatal e, corajosa respirou fundo decidida a viver sem ele. O tempo passou e a distancia não lhe trouxe a serenidade previsível, a paz ambicionada! À medida que os dias corriam algo definhava sem domínio, alguma coisa secava as suas emoções sem controlo e a sua vivacidade outrora resplandecente esbatia-se a olhos vistos.
Hoje Clara era metade do que fora…vagueava sem brilho numa existência conformada, percorria absorta pelos dias de forma ritmada e enfadada, cedia por fim a uma dor teimosa que nunca conseguiu aniquilar.”
 
 
 

Inventado por alexiaa às 02:55
link do post | comentar | favorito
26 comentários:
De penumbra a 28 de Março de 2007 às 05:06
Brindo á morte de Clara... E ao renasca nos despojos da mesma... uma flor!

Beijo


De alexiaa a 28 de Março de 2007 às 19:03
Em primeiro lugar não gosto de comentários apressados, não tens tempo não comentas e assim escusas de poupar nas letras das palavras:))))).
Em segundo lugar...não me mates a personagem, é rica em emoçoes e ainda têm muito para dar:).

Por ultimo...algo que tu adoras:

Beijocassssss:))))


De Su a 28 de Março de 2007 às 09:27
Não aceito esse fim, nem pensar, sfv continua essa historia e presenteia-me com um fim lindo...
Queres um café? Forte?

:)

Vá lá, tu consegues!

Bjs de todas as cores


De alexiaa a 28 de Março de 2007 às 19:22
Forte, curto e com adoçante:))).

Vou pensar no teu caso mas "esta" sinto-a já arrumada:)))

Beijo


De Su a 1 de Abril de 2007 às 21:05
Antes de mais, ou de qualquer coisa que possa vir a dizer, porque sou deveras teimosa, e quando sou sou mesmo e pronto e tal e coisa... bem... olha, quero te dizer que temos este poder inato, de dar a volta á historia a qualquer das historias... iap, é verdade! num instante, temos esta capacidade, vinda nem sei de onde, de virar uma historia do avesso e tornar o pior dos dramas na mais feliz das historias... pq na realidade, ansiamos todos por um final feliz, e mesmo que algumas lágrim bom mas corram lá pelo meio, o que nos dá impulso é a possibilidade de dar a volta a qualquer dos textos, mesmo que estes já nos pareçam perto de um fim catastrófico… é como te digo…
Enfim, o café táva bom!
Bjs!


De alexiaa a 2 de Abril de 2007 às 17:17
Percebo muito bem o que queres dizer...A Clara também tem esse poder, ha dias piores em que gosta de exibir a veia teatral que a acompanha desde a infância:)) mas acredita que na maior parte das vezes dá a volta a qualquer texto:))

Beijo, gosto de ti Maria:))))


De Su a 4 de Abril de 2007 às 19:56
!! claro que te vim ler a resposta... é q depois de tanta prosa, esperava ver reacção! claro! pq não? é q isto de cafés virtuais tem mto q se lhe diga! fico contente, por teres noção desta capacidade nossa de dar a volta a qualquer das historias! é uma especie de exercicio de alma, uma disciplina interior a q nos obrigamos, a tal lei da sobrevivencia, blablabla! e depois, depois parece q vencemos uma batalha, despimo-nos de um vicio... é como alguém já disse um dia... paixão é uma doença de pele...
Bjs pa ti... mi Maria!

:))))


De alexiaa a 5 de Abril de 2007 às 17:48
O café ainda não arrefeceu...tipo acne?:))))))

Bjo Albertina:))


De pedro alex a 28 de Março de 2007 às 20:56
A mestria da tua intensidade escrita deixa-me sempre deslumbrado. Que texto formidável.
Não revelando mais do que incapacidade na forma de te acompanhar na escrita, refugio-me em comentários tantas vezes desconexos, perguntando-me “até quando”?
Neste pequeno raciocínio, encontro a resposta no título, ambíguo, despropositado eventualmente porque desconheço a sua relação “…enquanto dura!”.
Pois enquanto eu durar, talvez tenhas que aguentar com a minha falta de propósito, com a minha falta de qualidade literária, comigo em bruto a comentar-te.
Vai daí, um dia, na história que iniciaste, ou não, incentiva a Clara a consultar-me. Tenho a mania, entre outras, que sou Médico. À distância dou consultas, e pelo simples contar do pulso, prescrevo receitas contra todos os males da alma, coração, membros, órgãos, e lá, lá, lá…
Laracho nas palavras, nunca nos bjs.
Bjs…


De alexiaa a 30 de Março de 2007 às 21:26
Por vezes irritas-me:)), mas é bom...não é mau!
Para começar apetece-me dizer-te que quem feio ama bonito lhe parece, com o devido contexto e não sendo butterflly...:))).

Agradeço a oferta para a Clara, não sei como lhe transmito o recado, a criatura é apenas uma personagem, um bode expiatório para o meu lado mais deprimente:)))

Vai daí...( achei miles de giro) um beijo da alma, outro do coração, outro do membro, outro do órgão:))), blá,blá,blá...


De Conguinho a 29 de Março de 2007 às 00:24
Não posso acreditar a Clara merece um outro fim uma outra história um novo acreditar. Sim pode ficar sempre com a recordação mas por opção e que seja feliz ... tem de conseguir


De alexiaa a 30 de Março de 2007 às 21:27
Combinado, para a proxima coloco a "gaja" de véu e grinalda a caminho do altar:)))


Beijinhos


De xana a 29 de Março de 2007 às 13:21
Faço minhas as palavras do pedro alex "A mestria da tua intensidade escrita deixa-me sempre deslumbrada.".
Não tenho no entanto muita complacência pelas Claras deste mundo ... por isso faz favor de mudar o rumo à história e ensinar às tais Claras deste mundo que há vida lá fora!!


De alexiaa a 31 de Março de 2007 às 14:23
Após varias reclamaçoes passo a explicar: A Clara é personagem dum conto(ou sei lá o que) com principio, meio e fim...pode ser atabalhoado, irritante, mas tem fim, não ha hipotese de alterar o rumo da "criatura":)))).

Beijos:))


De antídoto a 30 de Março de 2007 às 21:12
Faço minhas as palavras da Xana, essa Clara precisa de ser sacudida.

Não vou repetir que escreves bem (repeti?).

E quanto à música só te posso dizer que ele há coincidências do arco-da-velha : )


De alexiaa a 31 de Março de 2007 às 14:30
Ou seja...criei uma personagem pouco popular:))), a próxima Clara vai partir a loiça toda, veremos se é alvo de menos criticas:)))

E quanto à música é com já te tinha dito...curioso, de coincidências e de acasos não percebo nada:)


De Sr. Dr. Ricky a 31 de Março de 2007 às 22:25
A história é de cortar a respiração! Está linda, assim como está =) mas ainda pode ser continuada, tu ainda consegues levar a Clara a muitos sítios =)

Escrever e uma boa forma para deitar tudo para fora, soltar esse nosso lado deprimente, porque todos o temos, e deixá-lo correr para que não se atrofie levando-nos com ele!

Um beijinho =) ** desculpa a demora mas o tempo é sacana e eu como tenho sempre a mania que sou quente (prepara-te porque é uma piada parva) andei uns dias com febre, mas passou!

**


De alexiaa a 2 de Abril de 2007 às 17:19
Como eu percebo essa mania, tambem padeço dela:))))), o problema é que eu não baixo a temperatura de maneira nenhuma:)).

Beijinhos


De Afonsinetes a 1 de Abril de 2007 às 16:10
Eu cá não acho que a história deva ser continuada pelas seguintes razões:
Primeiro, se a história fosse continuada teria de ser forçosamente continuada por vontade de outrém e ficaria lastimável, com um fim muito diferente da realidade...
Segundo, porque a historia para ser sentida e apreciada terá de ser o mais próxima da realidade, e lamento contrariar os adeptos de um final mais feliz, mas se o final fosse assim mais feliz, não vos deliciaria da mesma maneira que deliciou...porque o sofrimento é assim, não se esquece de um dia para o outro...mas também não vou estar agora a explicar o que é porque todos nós sabemos.
Um fim utopico era o fim de todos os sentimentos verdadeiros que conseguimos sentir ao ler...
Alexiaa eu lembrei-me daquele pormenor no "pisar o palco" mas pensei que as pessoas colocassem o leitor no pause, ele esta no rodapé..mas tb n esta visivel lá isso e verdade!
Beijocas e peço desculpa porque já deveria ter cá vindo mais cedo!
Escreves lindamente! Um privilégio que não é para qualquer um!


De alexiaa a 2 de Abril de 2007 às 17:21
Olha...eu ainda o procurei mas não sei porque nem no rodapé o vi:), devia estar impaciente nesse dia:)).

Sem desculpas...não é obrigação:))

Beijinhos


De Alma Negra a 1 de Abril de 2007 às 18:47
Uma história fascinante mas muito triste.
Fiquei sentido com o desenrrolar.
Um beijo grande.


De alexiaa a 2 de Abril de 2007 às 17:22
Pois...:)


De Shadow a 1 de Abril de 2007 às 18:51
Vim cá ter através de outro blog e simplesmente adorei tudo.
A história é fascinante e adorei.
Deixo um beijo de parabéns.
Shadow!!!


De alexiaa a 2 de Abril de 2007 às 17:25
Grata pela visita e pelo comentario:)



Comentar sem frete

O minimo sobre mim

Estas são as Ultimas

Aos sonhos que vão diminu...

Even...

Revivendo uma invenção!

Quase por encomenda...:))...

Tenho pena de não ter mem...

Não me ames…ambiciona-me!

(Re)Invenções antigas

Setembro 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Colocado em finais de Abril de 2006

Free Web Counter
hit Counter