Segunda-feira, 29 de Outubro de 2007

Pre...liminar!

Cada vez que penso no quanto era improvável há uns meses atrás estar aqui sozinha…sorrio chorando!
E no meio deste estado ambíguo escrevi-te umas cartas, e no meio de lágrimas oscilantes pensei constantemente em ti!
E regressei por momentos aos teus braços…morri de saudades quando mais uma vez te perdi, absorvi-te até à exaustão estes últimos dias!
Agora sinto-te quando me toco, pertences-me sempre que me acaricio, comovo-me sempre que me cheiro “atestada” de ti.
Sei de cor o que se segue…de tal forma que no meio duma tristeza antecipada não evito sorrir de resignação.
Nada muda neste mundo onde estou sempre apaixonada por ti.
 
As cartas amor…seguem sem possibilidade de comentários. Ridículas, provavelmente incorrectas ortograficamente, escritas a eito e sempre de coraçãozinho alvoroçado!
Porque amar-te é a reinvenção do século!
 

Inventado por alexiaa às 14:38
link do post | comentar | ler comentários (16) | favorito
Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007

Mais um fora de prazo, o carro já bateu:)

Quarta passada almocei acompanhada da minha mãe que foi descaradamente abordada por um proprietário da restauração.
Sai dali a sentir-me deprimida, onde anda a coragem da minha geração que mira as mulheres de alto a baixo e quando pressente algo interessante deixa escapá-lo com uma resignação assustadora?!
Bem…a verdade é que o meu veículo anda a aborrecer-me há uns tempos. O sacana do orixá não evitou que uma luzinha azul por mim intraduzível se instalasse de pedra e cal sempre que dou à chave de ignição. Se somar a este facto o almoço exasperante o resultado só podia ser um.
Entrei num stand e disse: Boa tarde, eu vinha comprar um carro!
Desde o inicio que senti o vendedor com uma postura desconfiada mas o certo é que aos poucos fui derretendo aquele gelo de quem não esta habituado a decisões rápidas e sinto que fiz um bom negócio.
O próximo passo seria ir ver o carro que …nem sequer conhecia!
É tão lindinho, pensei embevecida!
A descrição qual guia turístico aos meandros da minha nova aquisição foram elucidativos e duvidas houvessem ficariam esclarecidos no momento em que vejo aqueles bancos traseiros rebatidos formando uma espécie de caminha apetecível que me fez exclamar em voz alta: “consigo visualizar uma utilidade imediata para isto…”
O vendedor sorri…eu fico séria! Não pela utilidade mas porque honestamente imaginei-me com alguém muito especifico nuns “roçanços” obscenos despoletados pela determinada convicção que aquela era a forma indicada de comemorar a minha compra!
E fechei negocio!
E pediram-me para sinalizar e lembrei-me que fui as compras de bolsos vazios.
E fui vítima da ironia maternal.
E fiz dela a vitima!
Pensando agora no assunto chego à conclusão que eu não podia comprar o carro…mas entre curvas e contracurvas…lá arranjei quem se responsabilizasse pelo pagamento da viatura.
Descansei um dia e na sexta já a minha filha me abrilhantava com um ataque hormonal absolutamente desmedido.
Aproveitando o facto de eu ter o volante do carro reles nas mãos e sabendo que a minha distracção me coloca inevitavelmente em contra mão, resolve numa fúria despropositada encher o irmão de…porrada! A expressão parece exagerada mas foi tão literal o que se passou que não consigo ser mais harmoniosa neste meu relato!
O certo é que graciosidade foi algo que me faltou para resolver a questão que entretanto rumou para meandros mais escabrosos e terminou com o usado feioso encostado numa berma de estrada e com umas palmadas de ultimo recurso abrilhantadas pela presença simpática duns operários transeuntes!
A noite chegou lenta, o dia não havia meio de terminar e a minha determinação em faze-la perceber o quanto aquilo tinha sido imperdoável desmoronou-se no segundo em que passo de raspão pelo sono dela e a vejo destapada. Ter que a tapar amoleceu-me e num ataque de fé pensei que um abraço reconfortante me faria soltar um suspiro de alívio que encaminharia o resto da semana para águas calmas e serenas!
E assim se passou o sábado! E à meia-noite em ponto tal qual uma verdadeira cinderela, começa uma noite recheada de desabafos íntimos, de brindes constantes, de horas esticadas como se não houvesse amanha:).
Não descrevo o domingo porque não me mexi!
E segunda o meu filho resolve armar-se em Romeu… e a sua Julieta liga constantemente ordenando-lhe idas constantes à janela, e o lar doce lar vira um pandemónio com um puto possuído pela paixão que insiste comigo para o ajudar na conquista final da sua princesa!
Terça as coisas sossegam.
Já depois da meia noite o meu ultimo (?:) filho que não dorme a horas normais declara em tom solene: Tenho um dente a cair!
E a minha vida acaba, não devia ser permitido ao último filho crescer…principalmente em semanas caóticas!
 

Inventado por alexiaa às 20:03
link do post | comentar | ler comentários (16) | favorito
Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

A precisar das férias...

Um dia descobrimos que estamos apaixonados!
A sensação não preciso de explicar ser inexplicável, é um processo matreiro que não dá para evitar, uma espécie de moinha na cabeça que vai assentando aos poucos mas que tem uma dor muito específica e também ela incompreensível
Curiosa é a forma como medimos a intensidade da nossa paixão, nunca temos noção do tamanho dela até ao momento da primeira separação, primeira zanga, primeiro despertar alvoraçado…
E as vezes as coisas terminam. Porque não há reciprocidade, porque alguém morre, porque não têm que ser!
Faz-se o luto, chora-se muito, tenta-se sobreviver a uma dor que achamos na altura impossivel de suportar, que nos extingue, que assumimos eternas!
De repente lembramo-nos do amor que vivemos antes…daquele amor que acabou e que julgamos insubstituível, aquele amor que não vingou e que pensamos não voltar a ter!
E aqui é impossivel não parar de chorar…Afinal podemos ter mais que um grande amor na vida, é possível voltar a sentir incoerências entre o corpo e a cabeça, é viável ter prazer com outra pessoa e criar expectativas de um presente imenso de amor!
E é então aqui também que se torna impossivel compreender a saudade que sinto de ti! É nos dias de maior fé que não explico o cantinho que tens guardado na minha vida, a ilusão dum reencontro que não vai nunca acontecer!
 
Quando me esforço por te esquecer…apaixono-me numa reinvenção de ultimo recurso. Curioso é que sempre que isso acontece deixo de gostar mais depressa de mim do que de ti, só tu…foste sempre só tu que me fez amar-te amando-me!
 
música: Esta uma trapalhada mas dá para...viajar!

Inventado por alexiaa às 22:36
link do post | comentar | ler comentários (30) | favorito
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007

Estou farta é como quem diz…

Foste daqui e contigo sumiu do meu olhar um brilho cintilante!
Perco-me agora numa visão desabitada, numa sensação imensa de solidão, numa procura desesperada duma razão…
Escorregaste-me por entre os dedos que estavam sempre embebidos duma sofreguidão insaciável.
Tacteio hoje um corpo invisível, esbracejo incansável em busca do teu abraço quente…
Ensurdeci no dia em que desapareceu a melodia da tua voz!
Porque a ninguém depois de ti será permitido cantar-me, adoçar-me os sentidos agora perdidos numa maldita surdez…
Extorquiste me uma sensibilidade perfumada no dia que partiste!
Resta-me a saudade dos dias que te consumia com o cheiro, a dor que é ter que recolher odores espalhados…
 
Nesta ausência mais que assumida, o tempo as vezes contraria a necessidade que tenho de recordar, ou porque corre velozmente atropelando alguns flashs momentâneos ou porque pára obstinado numa memória dolorosa impedindo um suspiro ansiado!
E estou farta…de lidar com um amor estranho de tão sozinho, de sofrer por alguém que egoisticamente foi impedido pelo destino de me dar a mão para sempre!
 

Inventado por alexiaa às 18:22
link do post | comentar | ler comentários (28) | favorito

O minimo sobre mim


ver perfil

. 11 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Estas são as Ultimas

Aos sonhos que vão diminu...

Even...

Revivendo uma invenção!

Quase por encomenda...:))...

Tenho pena de não ter mem...

Não me ames…ambiciona-me!

Colocado em finais de Abril de 2006

Free Web Counter
hit Counter