Sábado, 10 de Dezembro de 2005

Estado de espirito

Pensamentos bizarros, palavras bem escritas, colisão de sentimentos…mas o certo é que estou para aqui numa aflição desenfreada que já me cansa, desaustina, e principalmente me deixa muito zangada. Será que anda tudo cego ou sou eu que alucinei de vez e esqueci tudo aquilo em que acreditei durante anos???
Leio à minha volta e surpreendo-me com cogitações espampanantes, com doutrinas elaboradas e com sensibilidade esperançosa…mas desviando os olhos da leitura nada do que me rodeia é assim. Mais uma vez serão os outros personagens que se escondem atrás das letras ou serei eu que por ter desacreditado no que nunca duvidei, descompensei agora de tal forma que saboreio, vejo, oiço, cheiro e sinto de forma diferente???
Para ser honesta hoje o meu estado de espírito diz-me que falar é fácil, comentar mais ainda e perde-se imenso tempo a papaguear comentários que estão longe de nexo para alguém que não quer saber de paleio porque quer a situação resolvida, alterada, melhorada e adjectivos afins que se contextualizem com os anteriores.
Agora o reverso da coisa…o sacana do estado de espírito…Aquele que amanha se reinventa e em tom baixinho me diz que é bom saber ler nas entrelinhas, esperar pelo ansiado choque de sensações, e ter apurado o gosto (do beijo), a visão (do futuro), a audição (das promessas), o cheiro (do corpo) e o tacto (do dia em que te vou ter).
Pensando bem não me parece que espere por amanha…intensamente não me parece que não espere…!!!



Inventado por alexiaa às 00:59
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Anónimo a 13 de Dezembro de 2005 às 12:47
Do que li neste teu último post, uma coisa me saltou mais à atenção... "personagens que se escondem atrás das letras": de facto umas vezes escondemo-nos por detrás das letras e escrevemos coisas que não somos (até queriamos ser mas...); outras vezes escrevemos exactamente o que somos mas depois não conseguimos ou não nos deixam mostrar o que realmente somos. Um beijinho e até já ;)da Planície
</a>
(mailto:planicie@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Dezembro de 2005 às 18:14
Pois. Diz me a experiencia que a vida é mais um alta velocidade que deixa apeado quem nao embarca. Mas ha que ser romantico e lembrar os bons velhos tempos do vapor...mas antenção: quem não fechava a janela nos tuneis ficava cheio (a) de fagulas nos olhos...Josef K.
(http://www.josefk.com)
(mailto:josefk@sapo.pt)


De Anónimo a 12 de Dezembro de 2005 às 13:57
(é pena que os textos dos comentários não comportem espaços, tabulações e parágrafos... os textos ficam menos expressivos)...Tá Difícil
</a>
(mailto:taaimpossivel@yahoo.com)


De Anónimo a 12 de Dezembro de 2005 às 13:54
"Você entrou no trem
E eu na estação vendo o céu fugir
Também não dava mais para tentar
Lhe convencer a não partir
E agora, tudo bem
Você partiu
Para ver outras paisagens
E o meu coração embora
Finja fazer mil viagens
Fica batendo parado naquela estação"


Depois de ler mais um "post" seu com a mesma intensidade dos outros: angustiada, suspensa, "parada naquela estação", não pude deixar de me lembrar desta letra que muito me diz e onde de certa forma me revi durante muito tempo. É frequente pensarmos, em momentos de crise, que nunca sairemos dela e que nunca esqueceremos quem tanto nos marcou, que amaremos para sempre aquela pessoa e que todas as outras nos parecem vazias, sem o interesse e o brilho que nos prendam o pensamento por escassos minutos que sejam. E tudo se nos afigura negro, triste, sem luz e sem esperança: de facto, em muitos casos é efectivamente assim; nunca se ultrapassa... ou pelo menos nunca até ao dia em que fazemos um ligeiro movimento de translação em torno do "objecto" e o olhamos de outra perspectiva. E porque o fizemos em relação a este "objecto", a perspectiva sob a qual olhamos todos os outros também passa a ser diferente... É aqui que a esperança (enquanto sensação e não enquanto conceito) começa a fazer sentido e a surge a possibilidade de se começar de novo e até de se(fazer uma coisa que a senhora, ou menina, é a primeira a propor...) REINVENTAR. Espere, sim, mas não demasiado. ((perdoe se a chateio... comprometi-me a não fazê-lo... e principalmente, se o meu comentário não lhe faz sentido algum...)) Atentamente Tá DifícilTá Difícil
</a>
(mailto:taaimpossivel@yahoo.com)


De Anónimo a 11 de Dezembro de 2005 às 00:11
dizem..."quem espera desespera" mas ás vezes a recompensa do esperar vale a pena. beijoimensa
(http://imensa.blogspot.com)
(mailto:filintam@gmail.com)


De Anónimo a 10 de Dezembro de 2005 às 23:29
Algo me diz...que devemos esperar!
</a>
(mailto:)


Comentar sem frete